<< Voltar

03 - Europeus encaram um regime rigoroso de reciclagem de lixo

Os cidadãos de Whitehaven tentam, eles realmente tentam. Separam suas latas, seu papel, seu papelão e seu vidro e reciclam tudo. Eles pulam para cima e para baixo em seu lixo para enfiá-lo nas latas de lixo fornecidas pelo governo e colocam o lixo para fora para a coleta exatamente às sete horas, duas vezes por mês.

Mas, quando Gareth Corkhill, um motorista de ônibus, foi multado em US$ 215 – e depois outra vez em US$ 225, além da ficha criminal que ganhou quando deixou de pagar – por deixar sua lata de lixo levemente aberta, os residentes de Whitehaven se uniram em consternação. Eles levantaram o dinheiro para pagar a multa e começaram a reclamar.

“Considero a multa contra o senhor Corkhill uma questão de injustiça e, como um pastor cristão, tenho a obrigação de me expressar contra a injustiça”, disse o Reverendo John Bannister, pároco de Whitehaven, uma cidade litorânea na região de Cúmbria. Referindo-se às latas de lixo utilizadas aqui pelos residentes, ele disse, “Receber uma ficha criminal por deixar a tampa de sua lata aberta em três polegadas, na minha opinião, realmente extrapolou as fronteiras do aceitável”.

Por toda a Europa, moradores estão lutando para ajustar-se a uma nova era de regras sobre o lixo. A Inglaterra, particularmente, está em meio a uma crise do lixo, com a diminuição dos depósitos e um dos índices de reciclagem mais baixos da Europa. Ameaçados com multas exorbitantes caso joguem lixo demais, governos locais por todo o país estão impondo rigorosos regimes para forçar os residentes a produzir menos e reciclar mais.

Muitos agora coletam o lixo a cada duas semanas, em vez de semanalmente. Eles limitam as residências a certa quantidade de lixo e se recusam a pegar mais. Exigem que o lixo seja colocado para fora somente em horários específicos, rejeitam caixas cheias de recicláveis que contenham apenas um item não-reciclável e empregam oficiais de fiscalização, que distribuem avisos e impõem multas aos que não cumprem as normas.

Poucas pessoas questionam que, nesta era de recursos ambientais limitados, é essencial que sociedades com muito lixo como a Inglaterra mudem seus hábitos irresponsáveis. “Esta é uma época difícil para o meio ambiente, e o Reino Unido está atrás no jogo quando o assunto é depender de depósitos de lixo”, diz Beverley Parr, uma porta-voz do Departamento de Assuntos de Meio Ambiente, Comida e Rurais. Ou como Ian Curwen, porta-voz do Conselho de Copeland Borough, que abrange Whitehaven, disse: “Como um país, temos de fazer mais. Não podemos apenas continuar produzindo e jogando coisas fora”.

Mas os britânicos não gostam que lhes digam o que fazer. Encorajados por jornais de oposição, eles ressentem a intromissão do governo em assuntos tão íntimos quanto o conteúdo de suas latas de lixo. À medida que os regulamentos ficam mais rigorosos e a fiscalização mais intensa, há relatos pelo país de residentes enraivecidos gritando e jogando lixo nos coletores, jogando ou queimando ilegalmente os excessos, e até mesmo jogando lixo sorrateiramente nas latas dos vizinhos – ou as roubando.

“É como algo saído do filme ‘Mad Max’”, disse recentemente Paul Nicholls, residente de Cannock, próximo a Birmingham, ao jornal "The Guardian", descrevendo o pandemônio em sua cidade na hora da coleta de lixo. “Cada um por si, lutando por uma lata extra”.

O governo diz que as novas regulamentações são necessárias se o país quiser se ajustar aos novos tempos. Juntamente ao restante da Europa, a Inglaterra foi ordenada a reduzir o refugo colocado em depósitos de lixo – até 2015, em 50% do que era em 1995 – ou encarar incontáveis milhões de dólares em multas da União Européia.

Isso significa que as pessoas têm de repensar completamente seu relacionamento com os refugos, diz Paul Bettison, presidente da comissão de meio ambiente na associação governamental local.

“É muito triste ter de arrasar as ilusões das pessoas, mas já foram os dias em que podíamos colocar todo o nosso lixo em um grande saco e, durante a noite, a fada viria e levaria tudo embora, e esse seria o fim do problema,” diz Bettison. “A fada do refugo morreu”.

O regime de coleta quinzenal, adotado agora em mais de metade do país, é particularmente impopular e se tornou um controverso assunto nas recentes eleições locais, quando o Partido do Trabalho governante foi trucidado por seus oponentes.

Entre outras coisas, diz Doretta Cocks, que dirige a Campanha pela Coleta Semanal de Lixo com 22 mil membros, ter coletas muito espaçadas cria um risco à saúde, com o cheiro, insetos e ratos.

“O processo foi criado para ser amigo do meio ambiente, mas não é”, diz Cocks. “E como poderia ser, se temos que manter duas semanas de lixo em nossas casas?”

Whitehaven oferece aos seus residentes um conjunto de latões de reciclagem, além de latas com rodinhas regulamentadas pelo governo que costumam ser modestas em tamanho, para dizer o mínimo, guardando talvez quatro dos sacos de lixo pretos.

Dentro delas, espera-se que os moradores acumulem o equivalente a duas semanas de lixo.

“Minha lixeira está sempre cheia”, diz um residente de Whitehaven de 62 anos, acrescentando conseguir forçar cinco sacos lá dentro se pular sobre eles com força suficiente. Ele está engajado em uma batalha corrente com os coletores de lixo. Certa vez ele colocou um saco de lixo a mais sobre sua lata; eles se recusaram a pegá-lo e deixaram o lixo do saco, agora rasgado, espalhado pela rua. Em outra ocasião, quando ele não conseguiu fechar sua tampa corretamente, recebeu uma “nota mal-educada dizendo que a lata estava sobrecarregada”, diz.

A nota foi complementada por um adesivo de vergonha afixado ao latão, anunciando que ele estava violando as leis locais de lixo. O homem, que falou sob condição de anonimato pelo temor de contrair as autoridades, diz levar regularmente seu lixo extra para um terreno baldio e queimá-lo.

Parr, porta-voz de Departamento de Meio Ambiente, diz que a Inglaterra reciclou apenas 7% de seu lixo em 1997, contra 33% de agora. (mais de 60% de seu lixo acaba nos depósitos, comparado a 55% dos Estados Unidos em 2006.) A Inglaterra está em vias de experimentar programas em que as residências pagariam de acordo com a quantidade de lixo jogado fora, assim como pagam pela quantidade de água ou eletricidade utilizada.

Em um dos cenários, seriam instalados microchips nos latões, permitindo que os conselhos locais registrassem o peso ou volume de lixo por residência. Embora tais latas já sejam usadas em outros países da Europa, a mera probabilidade na Inglaterra já tem críticos resmungando sobre o Grande Irmão e temendo as taxas.

Em Whitehaven, os residentes já estão incomodados o suficiente com as regras já existentes.

'Polícia do lixo'

Claire Corkhill, cujo marido recebeu a multa pelo latão aberto, ainda se recupera da vergonha de ter dois oficiais uniformizados da fiscalização do lixo, ou “polícia do lixo,” como são conhecidos localmente, em sua porta.

“Eles estavam usando coletes protetores,” disse ela, referindo-se a um tipo de armadura. "Minha irmã é policial, então pensamos que se tratava de uma brincadeira, pra falar a verdade".

Curwen, o porta-voz do conselho local, disse que os Corkhills deixaram de responder a diversos avisos. “Eles receberam um adesivo, uma carta e então outra carta dizendo, ‘Você gostaria que os visitássemos para discutir a situação do seu lixo? Porque precisamos reduzir nossos depósitos de lixo e as multas são bastante altas’”, disse.

Matriz
Rua São Paulo, 57, Centro, Belo Horizonte/MG
Telefone: (31) 3201-7477Veja o mapa
Filial
Praça Vaz de Melo, 117, Centro, Belo Horizonte/MG
Telefone: (31) 3201-7477Veja o mapa
by Harlley