<< Voltar

01 - Reciclagem movimenta R$ 8 bilhões mas falta lei

Referência para países em desenvolvimento, Brasil carece de marco regulatório que ajude a ampliar atividade, que gera renda para 800 mil pessoas.

Hoje, a reciclagem atinge cerca de 12% do lixo urbano. foto - ABRA pesar de ainda não haver um marco regulatório para a reciclagem, o Brasil já consegue movimentar R$ 8 bilhões anuais com o setor, gerando renda a 800 mil catadores, mantendo cerca de 550 cooperativas e empregando formalmente 50 mil pessoas em indústrias destinadas ao reaproveitamento do lixo seco.

Hoje, a reciclagem atinge cerca de 12% do lixo urbano – calculado em 61,5 milhões de toneladas por ano –, mais por esforço dos que abraçaram a causa do que por incentivo público.

Mesmo assim, pelo sétimo ano consecutivo o Brasil é campeão mundial na coleta e reutilização de latinhas de alumínio, com índice de 96,5% de aproveitamento do material em 2007. E é o segundo na reciclagem de garrafas PET, com 51,3%, contra 62% do Japão.

– A reciclagem vem crescendo, mas temos muito a avançar resolvendo gargalos com maior envolvimento das prefeituras, conscientizando a população, colaborando com as cooperativas, sem falar na questão tributária e na falta de um marco regulatório – diz André Vilhena, diretor-executivo da associação Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre).

Vilhena afirma que o Brasil tem sido referência para outros países em desenvolvimento.

– Freqüentemente somos visitados por grupos de fora que querem conhecer o nosso trabalho – informou.

Em 2007, o Brasil reciclou 11,3 bilhões de latas de alumínio, ou seja, 160,6 mil toneladas. De acordo com a Cempre, o material é recolhido e armazenado por cerca de 130 mil sucateiros.

– A explicação para o aumento da reciclagem de latinhas está na eficiência da coleta, que funciona cada vez melhor, sem interferência do Estado. – É a autonomia pelas leis do mercado – explica Renault Castro, diretor-executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade.

O preço da sucata, diz Castro, acompanha o preço do alumínio no mercado internacional.Com liga metálica mais pura, a sucata é transformada em lâminas destinadas geralmente à produção de novas latas ou é empregada na fundição de autopeças.

Já a garrafa PET gera produtos de vestuário, tapetes, carpetes, fios de costura, cerdas de vassouras e escovas, cordas, placas de trânsito, entre outros. A estimativa é de que tenham sido recicladas 230 mil toneladas de PET em 2007.

Além disso, são reaproveitados 40% do aço, 20% dos plásticos, 46% do vidro e 38% do alumínio, entre outros materiais, como o papel.

Matriz
Rua São Paulo, 57, Centro, Belo Horizonte/MG
Telefone: (31) 3201-7477Veja o mapa
Filial
Praça Vaz de Melo, 117, Centro, Belo Horizonte/MG
Telefone: (31) 3201-7477Veja o mapa
by Harlley